quarta-feira, 20 de agosto de 2014

MINHAS ANDANÇAS


Em novembro de mil novecentos e cinquenta e seis minha família deixou o sítio, situado no vilarejo de Conceição, que não era o nosso, e voltou para Riacho dos Cavalos, que até então não era emancipado. Meu pai veio assumir o cargo de auxiliar de administração da Fazenda Experimental de bovinos e equinos, de propriedade do Governo Estadual da Paraíba.

 Naquela época, já havia sido antes funcionário público estadual. Sempre que o partido de sua ideologia perdia as eleições era demitido. Quando conseguia ganhar, novamente era readmitido. Nesse ínterim íamos para a comunidade rural do Jenipapeiro, reduto da nossa família, onde temos até hoje uma pequenina propriedade, e que era cuidada pelos dois irmãos mais velhos, os gêmeos. Lá era o nosso porto seguro.

Meu querido pai, um homem extraordinário, de caráter marcante, lutando pela sobrevivência, fez-se um ser humano de bem. Sua dignidade não foi maculada por interesses políticos e manteve sempre a honradez em seus compromissos. Foram lições que se perpetuaram no tempo, como exemplo a seguir pelos filhos. Mesmo com pouco estudo, ofereceu a oportunidade para que todos frequentassem os bancos escolares. Uns pararam completando só o curso primário e outros continuaram, buscando o conhecimento para realizar seus sonhos.

 Voltei a estudar na única unidade escolar da vila, chamada “Grupo Escolar Daniel Carneiro”, nome de um dos filhos da terra. Já vinha alfabetizada e cursei nele o primeiro e o segundo ano primário, hoje fundamental. Ganhei uma professora maravilhosa e fui fazendo novos amigos.

O cotidiano em Riacho dos Cavalos não tinha quase nada a oferecer. Nem sempre era pacata, mas nada que não fosse resolvido, como qualquer outro lugar que se vive em sociedade.

Além das brincadeiras infantis, tinha ainda o açude que fazia parte do complexo do governo do estado. De um porte razoável, servia de lazer para a garotada e os adultos. A pesca era uma das fontes de renda da pequena população e a meninada conseguia arrancar, uma vez por outra, dos pescadores, um passeio de canoa. Época que não havia tanta ganância, pois eles nos atendiam muito bem e sem remunerações. Todos nos conheciam e sabiam os pais de cada um. Compreendo hoje, que bastava tão pouco para fazer uma criança feliz.

 À noite, todos se dirigiam para as calçadas e os vizinhos mais próximos travavam conversas, enquanto a gurizada brincava na rua sob os olhares de todos. A energia elétrica era movida por um motor a óleo diesel, que chamávamos “o motor da luz”, As vinte e uma horas ele era desligado. Todos ficavam atentos ao primeiro sinal, depois vinha o segundo e finalmente as luzes se apagavam. Neste momento as lamparinas eram nossas companheiras até a hora de todos se agasalharem.

 As lembranças boas chegam! Não preciso colocar aqui no papel coisas tristes que todos vivenciam inclusive as crianças. A vida é feita de dualidade até que possamos compreendê-la e chegarmos ao nível de transcendê-la.

Pois bem, recordo do meu quarto irmão, cujo nome Carlos, que estudava em Patos, a cidade maior do sertão paraibano. Em suas férias, nas noites enluaradas, ao som do violão tocado por um amigo, ele soltava sua voz e todos ficavam horas e horas na calçada escutando as canções poéticas daquela época. Vou citar algumas: “Granada”, “A volta do Boêmio” (Boemia), “Boneca Cobiçada”, “Chuá, Chuá”, “Fascinação” “Perfídia” e tantas outras. Ele possuía dois cadernos de músicas, que infelizmente se perderam no decorrer desses anos. Queria muito tê-los comigo!

Após as eleições de mil novecentos e cinquenta e oito, mais uma vez o partido que José Barbosa de Almeida (meu pai) seguia, perdeu e a história se repetiu. Tivemos que fazer as malas e rumar em busca ao nosso aconchego, o sítio Jenipapeiro. Neste mesmo ano em dezembro completei minhas 10 primaveras. A narrativa do próximo texto será sobre os últimos anos que morei neste recanto, que era mágico para mim.


Neneca Barbosa
João Pessoa, 20/01/2014

quarta-feira, 2 de abril de 2014

CHAMA



Diante da realidade existente no mundo há uma chama em nosso interior, que nos conduz a criar as mais diversas imagens provenientes dos nossos sonhos e fantasias. O que se torna perceptível, palpável, não se iguala com a capacidade que o ser humano tem de imaginar.

Esta chama leva-nos a produzir formas diferentes de descrever nossas emoções, sensações e sentimentos.

Nosso psiquismo entra em combustão de tal maneira, transformando as mais diversas metáforas em constelações de imagens, que saem da realidade do cotidiano e passa ao universo imaginário.

Qualquer imagem da mais simples a mais elaborada é permeada pelo símbolo da poesia, conduzindo o sonhador ao espaço da fantasia poética e única.

Ao contemplarmos uma chama, recriamos em nossa memória as lembranças vividas pelos sonhos que não são somente nossos, mas que fazem parte de um passado distante.

Neneca Barbosa
João Pessoa, 08/03/2014