segunda-feira, 6 de agosto de 2007

LEMBRANÇAS DA JUVENTUDE

Cidade de Riacho dos Cavalos
Açude de Riacho dos Cavalos


Encontrando-me com uma amiga e conterrânea, chamada Augusta, ela lembrou-me um período de nossa juventude. Fiquei emocionada, quando começou a recitar o primeiro verso de uma poesia de Ronald de Carvalho, intitulada “Brasil”. Confesso que lembrei só do início. Ao voltar para casa fui de imediato consultar o Google encontrando-a. Ah, senti uma saudade daquele tempo!

Estudando em Catolé do Rocha, na época das férias ia para casa, por residir na cidade de Riacho dos Cavalos. Aos domingos,  juntava-me com a turma de estudantes que estudava em outros lugares, pois lá só tinha até a 4ª série do ensino fundamental. Em nossas conversas despertou o desejo de fazermos algo que somasse ao conhecimento que estávamos buscando, foi quando resolvemos fundar um Grêmio Estudantil. 

Não ficaram registrados na minha memória os assuntos que discutíamos. Recordo das apresentações teatrais e cantos que fazíamos em palcos improvisados, com tambores e tábuas, nas noites de sábados e domingos. A cortina era feita com um lençol e a música de fundo era tocada em uma radiola portátil. Numa destas noites declamei a poesia “Brasil” com tanto entusiasmo, colocando a emoção e o sentimento. Além da parte cultural me divertia muito na companhia dos amigos.

Nesta época a cidade já era emancipada. Sua vida tranquila faz-me relembrar com alegria, os namoros, os banhos de açudes, com seus passeios de canoa, “os assustados” (dança improvisada) na casa de alguém, as brincadeiras nas calçadas etc. Era tão pouco o que ela tinha para nos oferecer, mas nos bastava,  pois ainda não havia o deslumbre da vida dita “moderna”.

Como é bom recordar tudo que fez feliz o nosso caminhar. Tantos anos se passaram e aqui estou continuando o meu aprendizado, dando um sentido à minha vida. Como é importante o mergulho para dentro de si mesmo. Lá iremos encontrar os nossos conflitos, ansiedades, mas também os nossos sonhos. Deixemos a porta da nossa alma  aberta, para que nossa intuição flua com intensidade e possamos  conseguir celebrar a Vida com alegria e amor.


Neneca Barbosa
João Pessoa, 08/09/2006


Poesia:
Brasil – Ronald de Carvalho

Nesta hora de sol puro
palmas paradas
pedras polidas
claridades
faíscas
cintilações.
Eu ouço o canto enorme do Brasil.

Eu ouço todo o Brasil cantando, zumbindo, gritando, vociferando!
Redes que se balançam, sereias que apitam, usinas que rangem, martelam, arfam, estridulam, ululam e roncam,
tubos que explodem,
guindastes que giram,
rodas que batem,
trilhos que trepidam,
rumor de coxilhas e planaltos, campainhas, relinchos,
aboiados e mugidos,
repiques de sinos, estouros de foguetes, Ouro-Preto, Bahia,
Congonhas, Sabará,
vaias de Bolsas empinando números como papagaios,
tumulto de ruas que saracoteiam sob arranha-céus,
vozes de todas as raças que a maresia dos portos joga no sertão!

Nesta hora de sol puro eu ouço o Brasil.
Todas as tuas conversas, pátria morena, correm pelo ar...
a conversa dos fazendeiros nos cafezais,
a conversa dos mineiros nas galerias de ouro,
a conversa dos operários nos fornos de aço,
a conversa dos garimpeiros, peneirando as bateias
a conversa dos coronéis nas varandas das roças...
Mas o que eu ouço, antes de tudo, nesta hora de sol puro
palmas paradas
pedras polidas
claridades
brilhos
faíscas
cintilações
é o canto dos teus berços, Brasil, de todos esses teus berços,
onde dorme, com a boca escorrendo leite,
moreno, confiante,
o homem de amanhã!



Nenhum comentário: